Hunter x Hunter [Review]


Eu consegui, eu consegui passar do arco das formigas e terminar Hunter x Hunter!


Anime baseado no atual, e ainda em publicação/hiato, mangá de Yoshihiro Togashi (Mesmo autor de Yu Yu Hakusho), um remake que exibiu 148 episódios entre outubro de 2011 e setembro de 2014 pelo estúdio Madhouse. (Mesmo de Death Note e Nana)

A associação Hunter é uma sociedade muito antiga que resolve missões de risco, como caçar criminosos ou descobrir tesouros e a cada ano eles realizam um exame de recrutamento. Gon Freecss, um menino de 12 anos, almeja se tornar um Hunter profissional para conseguir achar seu pai, um Hunter, que o abandonou quando pequeno. Durante um exame Hunter Gon conhece Leorio, um aspirante a médio, Kurapika, o último do seu clã em busca de vingança, e Killua, um menino que está ali para se divertir. Os quatros formam o grupo de heróis, cada um com seu motivo pessoal para se tornar um Hunter.

Hunter x Hunter tem uma premissa bem simples, um protagonista que deseja entender e conhecer o pai, porém é um objetivo que demanda um longo caminho para ser conquistado. Um caminho que é bem mais interessante de ser feito em curvas, voltas e paradas, mas que sempre levam ao propósito final. É isso que o Togashi constrói, Gon quer encontrar o seu pai, mas ao busca-lo ele conhece pessoas, cria laços, relações e encontra obstáculos e desafios que precisam de ajuda e tempo para serem ultrapassados. E é assim que as coisas são, é raro na vida termos uma linha reta e curta para chegar em alguma meta.


Cada personagem tem o seu caminho próprio, então, da mesma forma que os indivíduos chegam na jornada do Gon ele vão embora, seguir suas próprias jornadas. Os 4 principais só ficam juntos quando os interesses se cruzam, eles não deixam de viver para seguir o protagonista e nem tem objetivos parecidos. Eu não diria que os personagens são únicos, eles até são bem clichês, mas são carismáticos, sem ser forçado e se desenvolvem bem, tanto individualmente quanto entre si.

Uma coisa que admiro nessa série também e que os principais não são “over power”. Eles são talentosso, mas não são os mais poderosos, eles não vencem sempre, e a cada etapa percebe-se a evolução que eles sofrem. Obviamente conforme o anime passa eles vão enfrentando inimigos mais fortes, mas não porque eles surgem do nada, tirando o chimera arc, o mais já está la, são os personagens que sabem as suas forças e compram briga com quem podem. Hunter x Hunter sabe trabalhar as consequências dos acontecimentos, seja com o treinamento, ou a falta dele, seja com a conexão entre as sagas. Arcos que tem uma boa linearidade entre eles, novamente, tirando a introdução do Chimera Arc.

Arte da saga de York Nova (Meu arco favorito)
Há uma construção de história e de universo muito lógico, a série é muito explicativa e detalhada, apesar de em certos momentos eu achar que fica cansativo. (Mas talvez porque eu tenha maratonado.) Os poderes têm regras claras que limitam os personagens, cada um tem a sua especialidade e eles têm que saber ganhar com ela.

Por isso ele é um anime muito mais de estratégia do que de luta e ação, o gênero dele não é esse. As lutas são resultado dos conflitos, não o gerador.

No quesito da produção, a Madhouse faz um trabalho incrível. A animação da gosto de ver, com cores vivas, cenários detalhados e personagens vivos. O traço segue o estilo dos capítulos mais recentes do mangá, que é bem próprio. No quesito sonoro ele se mantém na qualidade, mas nada marcante.

Finalizando, Hunter x Hunter extrapola o shounen clássio e faz um trabalho bem especificado e real, passando do seu púbico alvo e atingindo outros segmentos. Eu só não dou um 10 redondo por causa da saga das formigas, eu não acho ela ruim, mas, para mim, ela destoa da série. (Talvez eu faça um poste com spoiler sobre isso.)

NOTA: 9.5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.