Os 3 episódios de Little Wich Academia


   Finalmente consegui assistir os episódios de Litte Wich Academia, um anime que estou esperando desde o final do seu segundo OVA, e pelo visto não só eu, visto que a série se deve provavelmente pela popularidade que os curtas tiveram com o grande público.

Arte do criador.

   Falando rapidamente da “obra original”, os filmes foram criados e dirigidos por Yoh Yoshinari e produzidos pelo estúdio Trigger (Mesmo de Kill la Kill) para o um festival que tem o objetivo de achar jovens animadores, “Young Animator Training Project’s Anime Mirai”, de 2013 e ganhou um segundo episódio pela ótima recepção. E quem quiser conferi-los, eles estão disponíveis dublados e legendados no catalogo do Netflix.

   Voltando para série, ela continua nas mãos do estúdio Trigger e do Yoh Yoshinari. Como nos OVAs ela continua com estilo “crazy” e rápido, com direito a uma galinha gigante perseguindo as protagonistas no primeiro episódio.

   A história de Little Witch Academia, como o nome sugere passa-se em uma escola para jovens bruxas, onde Akko, depois de ver um show de magia de Shiny Chariot, se encanta por esse universo e se matricular na antiga escola da sua idola, apesar de ser uma humana comum. Algo familiar? Eu diria que a atmosfera da história é uma mistura do universo de Harry Potter com uma certa pegada Ghibli.

Akko no primeiro episódio.

   O primeiro episódio também apresenta o trio principal. Atsuko Kagari, Akko, uma menina infantil, que agarrou o seu sonho de ser uma bruxa com unhas e dentes. Lotte Yanson, a primeira bruxa que foi amigável com a protagonista, uma menina tímida e aparentemente estudiosa. Sucy Manbavaran, a bruxa com o sobrenome mais legal de todos, e uma menina com atmosfera sombria e com gosto por poções magicas.

   Algo que também chamou minha atenção, foi o preconceito contra as “bruxas não puras”, alunas que não pertencem a uma linhagem de bruxas, e aversão contra o uso da magia para entretenimento, como a que a Shiny Chariot fazia. O que me parece estar ligado ao possível “vilão” da série.

   Mas indo para o segundo episódio. Temos uma maior apresentação da escola, e de como esse universo funciona. Além da apresentação da rival da Akko, Diana Cavendish, uma aluna muito habilidosa e de “sangue puro”. Que desde dos OVAs é um ótimo contraponto para o desenvolvimento da protagonista.

Diana, Akko, Lotte e Sucy no segundo episódio.

   Chegando no terceiro episódios, que me pareceu um pouco bobo, apesar de ter gostado. Aumentou um pouco mais o mundo e introduziu as personagens coadjuvantes, Amanda, Constanze e Jasminka.

   Eu particularmente não me incomodo se a série for episódios engraçados com missões que ser resolvem nele mesmo. Mas para uma série de 25 episódios é preciso um plot, uma história que te prenda até o clímax e desfecho. E é isso o que eu quero ver agora. Eu quero saber para onde estou indo. Quero saber qual a trama. Porque a Shiny Chariot desapareceu? O que realmente é essa escola? Esse mundo tem alguma ameaça eminente?

   Não sei se estou muito acostumado com séries de 12 episódios, onde no terceiro episódios já estamos com tudo encaminhado, ou deveríamos, mas ficaria mais feliz se já soubesse sobre o que realmente se trata a série.

Professora Ursula.

   Agora sobre a produção. De fato, a animação é inferior do que dos filmes, não há tanto detalhe e cuidado com a luz como nos filmes, mas é uma série, menos dinheiro, menos tempo, é normal. Comparando com as outras séries, está no padrão, diria até que um pouco acima. Não é nenhum Hibike! Euphonium, mas está muito bom. Não cheguei a reparar na sonoridade, mas me parecia também normal, nada de mais nem de menos, nenhuma trilha Kill la Kill.

   Por fim, é um ótimo anime, pelo que vi não tem muita concorrência nessa temporada, vale a olhada, pois tem potencial.

   Isso é o que eu tenho para dizer sobre o começo de Little Wich Academia, to querendo comentar cada episódio, ou deixar de três em três, vamos ver.

Até.

Amor pela Sucy. ❤

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.